9 Junho – Dia internacional dos Arquivos


O Dia Internacional dos Arquivos foi instituído pela Assembleia Geral do CIA – Conselho Internacional de Arquivos, em Novembro de 2007.
Foi escolhida esta data, por ter sido precisamente nesse dia de 1948 que a UNESCO criou o CIA – Conselho Internacional de Arquivos. O objetivo da criação de um Dia Internacional de Arquivos foi o de proporcionar condições para que, em todo o Mundo, se desenvolvam ações de promoção e divulgação dos arquivos.
Arquivos, Harmonia e Amizade é o tema congregador, em 2016, à volta do qual terão lugar, a nível global, várias ações para técnicos e grande público de promoção e divulgação da riqueza documental.
Em Seul, entre 5 e 10 de Setembro, terá lugar o “ Congresso do Conselho Internacional de Arquivos” (International Council on Archives Quadriennial Congress), que dará voz a arquivistas e demais especialista da área, provenientes de várias latitudes e apostados em missão comum: projetar e sublinhar a importância ímpar e insubsituível dos arquivos.

Os arquivos são uma inesgotável fonte de informação para descobrirmos o passado, compreendermos o presente e anteciparmos o futuro. Mas, para além desta missão vital, os arquivos são igualmente obrigatórios no apoio à administração e à missão das organizações e das pessoas.
Os arquivos são transversais à sociedade e nessa medida corporizam um importantíssimo recurso administrativo, operacional e informativo. São ainda “apenas” um pilar da transparência administrativa, pois constituem prova e testemunho da atividade da administração O conhecimento e participação ativa dos cidadãos na missão e atividades dos arquivos é um passo decisivo para o seu bom funcionamento, para a eficiência organizacional e para preservação de um património que é de todos.
A Biblioteca da Ajuda,  polifacetada que é, tem uma valência também de arquivo, pois muitos são os documentos que integram as suas existências, enriquecendo-as.
Saudamos todos quantos se dedicam a reunir, organizar, proteger, preservar os arquivos, assegurando o acesso a informação neles contida, propondo a leitura de:
 
 
Título:
Ao Partido Liberal Portuguez a Associação Popular Promotora da educação do sexo femenino
Publicação:
Lisboa : Imprensa União-Typographica, 1858 (Dezembro)
Descrição Física:
43, [1] p.; 24 cm
Notas:
Por Alexandre Herculano segundo a bibliografia
Assunto(s):
Localização:
154-IV-1, nº 45 (BA)
Veja também...
 
 
 

O livro bebível

Eis uma ideia inteligente e utilíssima: um livro que contém informação sobre consumo de água potável (texto educativo) e cujas páginas podem ser destacadas e usadas como filtros (material salva vidas), eliminando 99% das bactérias contidas na água (anteriormente) imprópria para consumo.

  A Dr. Theresa Dankovich, da Universidade Carnegie Mellon, inventou, no decorrer dos seus trabalhos de investigação em Química, um papel bactericida feito de nanopartículas e, simultaneamente, um método barato e benigno de o produzir. Os filtros/ páginas têm uma duração eficaz de várias semanas, garantindo, assim, um ano de vida “útil” a cada livro, dadas as suas dimensões e número de folhas.
Segundo a Organização Mundial de Saúde, esta invenção – mais um passo importante para a humanidade - irá assegurar, tão cedo quanto possível, isto é: o financiamento necessário à produção em larga escala, o acesso de milhões de pessoas a água potável, salvando-as da morte por contaminação de micróbios.

Sabíamos que os livros faziam bem ao homem e que muito têm contribuído ao longo dos séculos para a sua saúde física, mental, emocional, social; surpreende-nos sempre, contudo, tomar conhecimento de inusitadas e fascinantes propriedades que os livros também possuem, verdadeiramente O Admirável Mundo Novo.

Na Biblioteca da Ajuda encontram-se inúmeros livros, tantas vezes salva-vidas, privilégio de quem os leu, lê e lerá, prova irrefutável do seu efeito na humanidade, valor e caracter eterno. Torna-se, por isso, difícil selecionar um só título, uma só obra, um só exemplo.

 Atendo-nos, por imperativos do tema central deste texto, à área científica – também muito representada nesta casa – e celebrando esta descoberta admirável e promissora, destacamos do nosso acervo a obra magna de Isaac Newton, ainda hoje considerado o maior cientista de todos os tempos:
 
Newton, Isaac, Sir (1642-1727)
Philosophiae naturalis principia mathematica
Londini : Apud Guil. & Joh. Innys, 1726.
Editio tertia aucta & emendata.
BA 32- IX- 5
 
 

Dia Mundial do Livro e dos Direitos do Autor

“A história da palavra escrita é a história da humanidade”, Irina Bokova, UNESCO

A 23 de Abril celebra-se, desde 1996 e por iniciativa da UNESCO, o Dia Mundial do Livro.

Pretende-se com esta iniciativa chamar a atenção para esta área da criatividade e, bem assim, para os direitos dos que imaginam, sonham, refletem, pesquisam, compõem, escrevem e assinam os livros.

Nesta data, no ano de 1616, faleceram Miguel de Cervantes e William Shakespeare - que havia nascido nesse mesmo dia do ano de 1564 - génios universais da literatura.

A data pretende promover e sublinhar a importância ímpar do livro como bem cultural, determinante para o desenvolvimento e qualificação da humanidade, essencial que é para o desenvolvimento da literacia, da realização individual e da equidade social.

As mudanças, por vezes inquietantes, sentidas nesta área pelo efeito das novas tecnologias - formato digital, transição para o licenciamento aberto e partilha de conhecimento – deverão ser encaradas como oportunidades, suscitando, por isso também, uma clara e justa redefinição de livro e um reenquadramento do significado de autoria: eis uma causa e um projeto que a todos beneficia.

O Direito de Autor não é uma taxa é o salário dos Autores
A Defesa do Direito de Autor é a garantia da defesa do património e dos valores culturais
(Sociedade Portuguesa de Autores)

A Biblioteca da Ajuda, com um riquíssimo, raro e variado acervo de cerca de 150 000 exemplares, é uma homenagem permanente e grandiosa ao livro e ao autor, pelo que selecionar uma ou duas obras - tantas nos ocorre destacar - é exercício redutor.

Superamos esta situação, sem dificuldade, indicando a seguinte obra magna:


Cancioneiro da Ajuda

Pergaminho

(Texto em Galego-Português. – Letra gótica. – Capitais ornamentadas a cores e ouro, com arabescos, caras grotescas, humanas e de animais; ilustrações com cenas da vida trovadoresca e palaciana. – Pauta de 4 linhas com ausência de notação musical).

                                      
De quant'eu sempre desejei
João Soares Somesso

De quant'eu sempre desejei
de mia senhor, nom end'hei rem;
e o que muito receei
de mi aviir, todo mi avém:
ca sempr'eu desejei mais d'al
de viver com ela e, mal
que me pês, a partir-m'hei en.

E já que m'end'a partir hei,
esto pod'ela veer bem:
que muita guerra lhe farei,
porque me faz partir daquém,
ond'eu sõo mui natural;
e sei-lh'eu um seu home atal
que lh'haverá a morrer por en.

E non'o pode defender
de morte, se mi mal fezer
- ca ũa morte hei eu d'haver;
e pois eu a morrer houver,
todavia penhor querrei
filhar por mi: e tolher-lh'-ei
est'home, por que me mal quer.

E pois lh'eu est'home tolher,
faça-m'ela mal, se poder
- e non'o poderá fazer;
mais pod'entender, se quiser,
que log'eu guardado serei
dela, e non'a temerei,
des que lh'eu esto feit'houver.
 


“ O que é a literatura? Um lugar que não é lugar, um tempo que não se mede pelo tempo, uma língua que não é linguagem. Esse lugar, esse tempo e essa língua podem tornar-se objeto de um desejo, permitem pressentir uma forma particular de conhecimento, ou talvez de revelação”.  

George Steiner, O Silêncio dos Livros, Lisboa: Gradiva, 2007.

Cópias Digitais:


Sphaera Mundi: A Ciência na Aula da Esfera. Manuscritos Científicos do Colégio de Santo Antão nas Colecções da BNP


CapaO colégio jesuíta de Santo Antão tem como característica particular ter sido a única instituição a assegurar ininterruptamente, durante cerca de 170 anos (finais do séc. XVI a meados do séc. XVIII), o ensino de disciplinas físico-matemáticas em Portugal, leccionadas por alguns dos mais reputados mestres europeus: Cristoph Grienberg (1564-1636), Cristoforo Borri (1583-1632) ou Giovanni Paolo Lembo (1570-1618) e nacionais como João Delgado (1553-1612), Luís Gonzaga (1666-1747), Inácio Vieira (1678-1739) entre outros. Embora o seu nome apele directamente ao ensino da Cosmografia e Astronomia – que utilizavam como obra introdutória o Tratado da Esfera, de João de Sacrobosco, redigida no séc. XIII e desde então largamente comentada e parafraseada – também o ensino da Geometria, Aritmética, Náutica, Óptica e outros temas científicos ou teórico-práticos ali tinha lugar.


  Cópia pública               

Obras recebidas na Biblioteca da Ajuda: catálogo de Exposição

 O TESOURO DA RAÍNHA SANTA: Imagem e Poder
  (Col. «Sala do Tecto Pintado»)
  Lisboa: DGPC/MNAA, 2016. 120 pp.
  ISBN 978-972-9258-28-2



 Exposição Museu Nacional de Arte Antiga: aqui





Conhecida como Rainha Santa, Isabel de Aragão conseguiu criar para si própria uma eficaz imagem de piedade e de poder. A aura desta rainha, culta, virtuosa, sagrada, perdurou no tempo e poderá explicar a preservação patrimonial de um raro conjunto de peças conhecido como «Tesouro da Rainha Santa». É a importância destas obras de ourivesaria, no contexto nacional e internacional, que esta exposição procura analisar. Duas pinturas excecionais — uma da oficina de Quentin Metsys, cedida pela Gemäldegalerie, Berlim, e outra de Francisco de Zurbarán, vinda do Museo del Prado, Madrid — ilustram o processo de beatificação (1516) e de canonização (1625) da mítica rainha do Milagre das Rosas.




Cat 5
Autor desconhecido
Colar



    
 Cat 4
Autor desconhecido
Imagem-relicário da virgem com o menino